Por Nicole Wetsman para The Verge

Drogas e plasma podem prevenir infecções antes que as vacinas estejam disponíveis

Embora muitas pessoas depositem suas esperanças numa vacina eficaz contra a COVID-19, outra opção está disponível: tratamento preventivo. Em uma audiência no Senado americano nesta semana, Anthony Fauci (imunologista estadunidense, contribuiu de forma substancial na pesquisa da AIDS e outras imunodeficiências) observou que uma vacina – que provavelmente está a meses ou anos – não é a única maneira de proteger alguém de um vírus com risco de vida.

Esses tratamentos podem proteger as pessoas contra infecções por algumas semanas ou meses, disse Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas – NIAID. Enquanto a maioria das pesquisas em andamento está focada em encontrar tratamentos para pessoas que já estão doentes com COVID-19, alguns pesquisadores estão procurando ver se conseguem impedir as pessoas com alto risco de ficarem doentes em primeiro lugar.

imunologista
Anthony Fauci – imunologista contribuiu de forma substancial na pesquisa da AIDS e outras imunodeficiências

É uma estratégia comprovada: drogas preventivas são usadas há décadas para ajudar as pessoas a se protegerem contra a malária. Mais recentemente, eles foram um avanço na luta contra o HIV. Não existe uma vacina eficaz contra o HIV, mas as pessoas podem tomar uma medicação diária que reduz o risco de contrair por meio da atividade sexual em 99%. O medicamento é um profilático pré-exposição, ou PrEP – um medicamento usado para prevenir doenças em pessoas que ainda não foram expostas a ele.

“Temos uma ferramenta incrivelmente poderosa que pode, pessoalmente, me proteger do HIV”, diz James Krellenstein, co-fundador da PrEP4All Collaboration (um grupo de ativistas de HIV / AIDS que identificou a redução do custo deste medicamento como uma prioridade) e organizador de um grupo de trabalho COVID-19 em Nova York.

Krellenstein publicou um relatório esta semana descrevendo os ensaios clínicos em andamento para encontrar medicamentos que podem prevenir o COVID-19. Os vírus deixam as pessoas doentes quando se replicam e se espalham pelo corpo, e a maioria dos medicamentos antivirais é projetada para interromper esse processo de replicação. Dar a alguém a droga no início, quando há apenas um pequeno número de partículas de vírus no corpo, vai ser mais eficaz do que esperar até que o vírus esteja em toda parte, Caleb Skipper, um pós-doutorado em doenças infecciosas da Universidade de Minnesota, disse ao site The Verge. Em teoria, um medicamento pode ser ainda mais eficaz se já estiver no corpo quando o primeiro vírus aparecer.

O pesquisador Skipper faz parte de uma equipe da Universidade de Minnesota que está executando um ensaio clínico para verificar se a hidroxicloroquina, que pode impedir a replicação do coronavírus em um tubo de ensaio, pode ajudar a impedir que os profissionais de saúde capturem o COVID-19. A droga tem sido objeto de muita controvérsia e não foi capaz de tratar efetivamente pessoas que já estão doentes e hospitalizadas.

Atualmente, a maioria dos ensaios clínicos que analisam medicamentos preventivos está testando a hidroxicloroquina, segundo Krellenstein. Ele argumenta que a pesquisa profilática precisa lançar uma rede mais ampla e também olhar para outros candidatos. “As vacinas são, em muito, uma arte e uma ciência, e há muitos acertos e erros. Seria substancial se pudéssemos identificar um composto molecular que realmente pudesse inibir a aquisição do COVID-19 ”, diz ele.

Alguns pesquisadores estão indo além da hidroxicloroquina. Na Johns Hopkins, os pesquisadores estão testando para ver se o plasma convalescente, o sangue rico em anticorpos dos sobreviventes do COVID-19, pode ser protetor. Um teste começará a inscrever os participantes na próxima semana para saber o quão bem ele protege as pessoas que foram expostas ao novo coronavírus de ficarem doentes.

Foto: Gmihail at Serbian Wikipedia – commons.wikimedia.org

“Você poderia imaginar que todos em uma fábrica de empacotamento de carne poderiam conseguir isso. Você pode imaginar que todos na Casa Branca podem ter isso, pessoas em alto risco ”, diz David Sullivan, professor de microbiologia molecular e imunologia no Instituto de Pesquisa de Malária Johns Hopkins, envolvido na pesquisa de plasma. “É uma maneira dessas pessoas chaves obterem imunidade imediata”.

O teste verá se o plasma confere proteção e, se o fizer, quanto tempo pode durar. “O plasma é uma dose única – você pode usá-lo uma vez e ter proteção por um mês ou seis semanas”, diz Sullivan. “Acreditamos que esse seja um dos passos essenciais para retornarmos a uma sociedade em funcionamento. Mas temos que demonstrar que funciona”.

Se o plasma ajudar a prevenir o COVID-19, pode ser um sinal de que tratamentos com anticorpos mais refinados também possam ser úteis como proteção, diz. As empresas farmacêuticas estão tentando identificar os anticorpos que são mais eficazes no bloqueio do novo coronavírus. Então, eles seriam capazes de produzir um coquetel mais direcionado de substâncias bloqueadoras de vírus do que o plasma, que é uma mistura geral de todos os anticorpos que o corpo de uma pessoa doente cria. “O plasma convalescente é o primeiro passo para outros produtos”, diz Sullivan.

Tanto o plasma quanto os anticorpos requerem infusões intravenosas, portanto a logística de fornecê-las a pessoas em risco de contrair COVID-19 é desafiadora – embora possa ser necessário administrar apenas uma vez para conferir algum nível de proteção. A hidroxicloroquina é uma pílula, por isso é mais simples para as pessoas tomarem, mas pode ter que ser tomada diariamente.

Sullivan acha que as limitações não são intransponíveis. E identificar drogas que podem proteger as pessoas do novo coronavírus é um passo crítico para controlar a pandemia, ele evidencia.

“É todo mundo no mesmo barco, tratando pessoas doentes. Isso tem que ser feito de alguma maneira”, diz Sullivan. Mas a melhor maneira de ajudar as pessoas é impedi-las de ficar doentes em primeiro lugar. Também poderia ajudá-los a se sentirem mais seguros ao sairem de casa. “Se eu tiver um tratamento que reduza a hospitalização, ainda vou me preocupar em sair e se sair, isso significa que talvez eu precise ir ao hospital”, diz.

Os tratamentos são importantes, diz Sullivan, mas ajudam a apagar incêndios que já estão acontecendo. “Profilaxia é como jogar água em uma caixa de fósforos”, opina. “Cabeças molhadas não vão acender em primeiro lugar”, conclui.

Leia a material no original em inglês – Fonte:https://www.theverge.com/2020/5/15/21258490/coronavirus-vaccines-hiv-prep-protection-malaria-drugs-plasma

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *