No final do mês de janeiro muitos vídeos começaram a circular por grupos de Whatsapp mostrando o vazamento de esgoto in natura no Ribeirão dos Pires, direto de uma Estação Elevatória de Esgoto (EEE) de responsabilidade da concessionária BRK Ambiental. Para entender porque esse vazamento está ocorrendo e dar uma resposta aos moradores do bairro dos Pires, entramos em contato com a assessoria de comunicação da BRK, prontamente informou que “a concessionária atuou em uma situação pontual ocorrida na Estação Elevatória de Esgoto dos Pires” e respondeu outras perguntas enviadas. Leia a seguir;

Jornal Pires Rural: Poderia nos esclarecer o que é esse emissário de esgoto, qual sua importância e abrangência e porque ele se localiza naquele local?

BRK Ambiental: O emissário localizado no bairro dos Pires faz parte do sistema de coleta de esgoto da bacia hidrográfica denominada Pires que, devido a topografia do local, está localizada na margem do Córrego dos Pires. A estrutura de esgotamento sanitário da região também conta com uma Estação Elevatória de Esgoto (EEE) que tem a finalidade de bombear e transportar todo o esgoto coletado nesta bacia para a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Tatu e, assim, devolvê-lo limpo e tratado ao meio ambiente. 

Jornal Pires Rural: Qual é a causa e porque é frequente a saída de esgoto do emissário lançado diretamente no ribeirão dos Pires?

BRK Ambiental: A BRK Ambiental esclarece que o lançamento de esgoto no Córrego dos Pires não é uma condição frequente, e nem recorrente, da estrutura de esgotamento sanitário da região.

Na última semana de janeiro a concessionária atuou em uma situação pontual ocorrida na Estação Elevatória de Esgoto dos Pires. Na ocasião, o sistema de bombeamento de esgoto dessa unidade teve seu funcionamento comprometido por uma somatória de razões externas (queda de energia e o aumento do volume de água de chuva na rede de esgoto provocado por uma obra de terraplenagem executada na região), ocasionando um extravasamento de esgoto no curso d´água. Tal condição foi integralmente monitorada e solucionada, tendo sido também devidamente reportada aos órgãos ambientais.

Jornal Pires Rural: Existe alguma outorga para a BRK Ambiental em algum momento fazer o lançamento de esgoto in natura no ribeirão dos Pires?

BRK Ambiental: A BRK Ambiental reforça o esclarecimento de que não há lançamento de esgoto in natura no Córrego dos Pires e que o que ocorreu foi uma situação pontual. Além disso, esclarece que a Estação Elevatória de Esgoto (EEE) Pires opera seguindo as determinações legais vigentes. 

Jornal Pires Rural: É de conhecimento da BRK Ambiental se houve aumento populacional, portanto houve aumento da carga de esgoto na região de cobertura do emissário e por esse motivo não estar suportando a capacidade?

BRK Ambiental: A estrutura do sistema de esgotamento sanitário (redes e estação elevatória de esgoto) que atende a bacia hidrográfica Pires está projetada para atendimento da população atual e também ao crescimento vegetativo dessa região. A ocorrência registrada em janeiro (esclarecida na questão acima) não está relacionada a capacidade de atendimento ou a estrutura do sistema. 

Jornal Pires Rural: Qual será a solução da BRK Ambiental para frear esse descarte de esgoto in natura no ribeirão dos Pires, que contribui, em volume, para captação de água para abastecimento da cidade de Limeira?

BRK Ambiental: A BRK Ambiental informa que a situação pontual ocorrida em janeiro na Estação Elevatória de Esgoto Pires está devidamente solucionada. E que, na ocasião, agiu com brevidade mobilizando equipes e direcionando caminhões fossa para auxílio na coleta do esgoto. A concessionária também ampliou a capacidade de bombeamento da elevatória com a instalação de um novo conjunto de motobombas e a retomada da unidade geradora de energia elétrica.

Importante ressaltar que, durante a ocorrência de janeiro, a BRK Ambiental realizou monitoramentos no Córrego dos Pires, a montante a jusante da estação elevatória de esgoto, não sendo constatada nenhuma alteração prejudicial ao corpo hídrico.

Jornal Pires Rural: A  tecnologia da Telemetria poderia ser implantada nesse local ou caberia uma tecnologia bem mais simples pra resolver o problema aliando a otimização de recursos e de tempo, garantindo o abastecimento de água com qualidade à população, e o tratamento de esgoto eficiente na cidade juntamente com a preservação do meio ambiente e dos corpos hídricos?

BRK Ambiental: A Estação Elevatória de Esgoto Pires já possui sistema de telemetria e, graças ao uso de tal tecnologia, a ocorrência registrada em janeiro (com causas já informadas em questões anteriores) pôde ser rapidamente solucionada.

Há mais de dez anos, Limeira já realiza 100% de tratamento de todo o esgoto gerado e coletado no município. E, mesmo com os serviços de esgoto já universalizados, a BRK Ambiental segue investindo em obras de ampliação e modernização de suas estações de esgoto. Em setembro do ano passado, por exemplo, a concessionária colocou em operação um novo sistema de tratamento biológico de esgoto na ETE Tatu. A tecnologia Nereda®, importada da Holanda, ampliou de 41% para uma média de 97% (superior às exigências legais) a remoção de carga orgânica do efluente, o que significa que Limeira deu um salto em inovação e qualidade do esgoto tratado. 

A concessionária informa ainda que mensalmente monitora 68 pontos dos córregos urbanos com objetivo de avaliar a qualidade da água e identificar preventivamente possíveis lançamentos de esgoto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *