O limeirense Vítor Manoel Ruy, 17, quinto colocado na prova do Rodeio de Barretos 2019
Jornal Pires Rural – Edição 232 | LIMEIRA, Setembro de 2019 | Ano XIV

O estudante Vitinho Ruy, está com 17 anos, cursando o 3º ano do ensino médio, quando era criança estudou na escola Martin Lutero, no bairro dos Pires. Foi mais ou menos nessa época, conta ele, que começou a montar nos bezerros. “Meu pai tinha umas vacas leiteiras e ele incentivava a montar nos bezerros. Colocava em cima e me segurava pela cintura da calça. Chegou uma certa idade comecei a montar bezerros maiores e pensar profissionalmente, usando espora, corda, colete. Vi que era meu sonho, comecei a me dedicar. Tenho os meus bois para treinar na minha arena, isso é muito bom. Meu pai e minha mãe me apoiam. Esse ano deu certo de ir pra Barretos. Ano passado não consegui uma boa classificação. Esse ano, graças a Deus fui finalista lá, fiquei em quinto lugar. Peguei boi bom, fiz 89 pontos na final. Agora é treinar e profissionalizar mais”, contou Vitinho.
Esse ano a competição na Festa de Peão de Boiadeiro de Barretos, houveram 36 peões disputando o rodeio júnior, inclusive um do Texas (EUA). Em Barretos, há distinção nas regras. No rodeio júnior os touros podem pesar até 22 arrobas (330 kg), na montaria profissional os touros chegam a pesar mais de uma tonelada, há outra diferença: no júnior, para uma montaria ser considerada válida é preciso que o peão fique seis segundos sobre o touro. No adulto, o tempo é de oito segundos.
Vitinho diz se inspirar em Guilherme Marchi, um campeão mundial de 2008, que se aposentou, ano passado, aos 36 anos. “Ele é de Leme, (SP), atualmente mora nos EUA mas, está sempre no Brasil dando curso. É um grande profissional, a umidade dele é sensacional”, revelou.

Para chegar até Barretos, Vitinho passou por um treinamento com Romildo Monteiro, hoje, juiz de rodeio, foi 10 vezes finalista do Barretos International Rodeo, acumula como prêmios 15 carros e 58 motos. “O curso é de sexta até segunda-feira. Mostra como usa espora, como dá um nó na corda, movimento de braços, posicionamento de pernas, ombros e tal, passa treinos na academia, treina nos bois e qual deles é preciso montar mais. Esse curso do Romildo Monteiro já é uma classificatória. É pago, e a gente monta nos bois, enquanto ele vai julgado e ensinado. Nisso sai quatro meninos de 16 e 17 anos, com pontuação para poder montar no rodeio júnior de Barretos”, explicou Vitinho.

Vítinho quinto colocado na prova de montaria em touros, categoria júnior, durante o Rodeio de Barretos 2019

Em Barretos, a competição júnior acontece de quinta a sábado, da segunda semana da Festa de Boiadeiro, os meninos buscam se classificar entre os 10 melhores para poderem disputar a final na maior arena de rodeio da América Latina. No credenciamento ele recebeu uma numeração para afixar em seu colete, a localização do alojamento, autorização para as refeições e uma condução veio buscá-los. A montaria começas às 15h, de quinta a sábado, onde é feito a somatória das notas e dá a classificação para prova final no domingo.
Segundo Vitinho, durante o credenciamento “a emoção foi muito grande porque o credenciamento júnior é feito no mesmo horário e local dos profissionais. São eles que me inspiram a estar um dia lá e, foi emocionante estar no meio deles, me senti como um competidor profissional. Estavam José Vitor Leme, Luciano de Castro e Kaique Pacheco, todo peões que eu admiro. Oportunidade única, porque não é fácil estar no meio deles, tem que treinar bastante na academia e focar”, destacou.
Vitinho conta como foi a competição: “meus bois deram uma boa pontuação, parei em todos eles e, entrei em quinto para a disputa final. O boi deu 89 pontos, na final e, consegui me manter em quinto”.

Apoio familiar
Vitinho é filho de Regiane Cristina Lemos Ruy e Flávio Romão Ruy, conhecido pelo apelido de “Cueca”, é experiente negociador de cavalos, mulas, vacas entre outros. A mãe Regiane fala sobre a jornada com filho até Barretos, “é muito legal e emocionante. Porque torcemos para ele parar (nos touros) e ganhar e chegar na final, que é o sonho dele. Mas assim, ficamos muito preocupados, com bastante medo e acabamos ficando um pouquinho tensos, é muita emoção de verdade. O momento mais emocionante foi quando ele foi classificado pra ir na final, entre os 10, que era o sonho dele montar na maior arena. Só por isso fiquei muito feliz, muito contente por ele. Valeu a pena. Depois o mais importante que ele ficou em quinto na final”, declarou a mãe.

Assista ao episódio do Programa Rural VideosBr retratando Vitinho

Estados Unidos
Vitinho tem o sonho de entrar na “Ekip Rozeta”, que é um dos maiores campeonatos que tem no Brasil como PBR e Rancho Primavera, também sonhar em ir montar nos Estados Unidos, “pra mim ir pra lá, eu tenho que montar bem nesses campeonatos, fazer pontuação para ser indicado. Então, é um currículo enorme que eu tenho que fazer. Esse ano, como eu sou menor (de idade), preciso da assinatura dos meus pais. Como é isso que eu quero, vou ficar esse resto de ano treinando, para o ano que vem tentar as competições caça-talento e radar, pra montar lá e entrar no campeonato”. Perguntamos para a mãe se ela apoia a decisão do filho; “Tá opiado porque é o sonho dele, então…o filho da gente estando feliz, nós estamos felizes também”, e deu um sorriso com o coração apertado de mãe de peão de boiadeiro. “É entregar na mão de Deus e, se Deus quiser vai dar tudo certo”, finalizou Regiane.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *