Jornal Pires Rural – Edição 230 | RIO CLARO, Julho de 2019 | Ano XIII

Aconteceu a 75ª Exposição Nacional de Orquídeas de Rio Claro, no final de junho, participaram  250 expositores, vindos de 63 municípios, trazendo cerca de 2 mil plantas para concorrerem e se destacar entre as vinte e cinco melhores plantas com direito ao pódio. 

Exposição Nacional de Orquídeas de Rio Claro

Daniel Tomasini, diretor do Círculo Rioclarense de Orquidófilos apresentou o pódio, dividido em oito categorias com primeiro, segundo e terceiro lugares. “Dentro dessas categorias estivemos com uma equipe de sete juízes, julgando 100% das plantas expostas – dentro desse universo foram escolhidas 24 para o pódio. Dentre as 24 plantas, foi escolhida uma melhor planta da exposição. A melhor planta, tradicionalmente, em Rio Claro, leva o nome ‘Prêmio Padre Gonzalez’, que foi um orquidófilo, antigo claretiano do Colégio, também fez parte de outras associações de orquidófilos como Campinas e Rio Claro. Era uma pessoa que entendia muito então, o prêmio leva o seu nome, a tradição do padre Gonzalez, para a melhor planta da exposição”, declarou Daniel. 

Critérios

“Dentre as 2 mil plantas estão variedades como: Cattleya nacionais, Cattleya estrangeiras, híbridos e Cattleyas, plantas terrestres, Vandas asiáticas. Cada categoria tem uma forma com critérios diferentes de julgamento. No caso das Cattleyas, pega-se uma flor e é destrinçada tecnicamente: forma, labelo, cor, textura, sépala; plantas monopodiais, que seria mais show pelo tamanho da planta e de flor, colorido então, cada categoria tem uma forma diferente de julgamento”, completou Daniel.

De cinco anos pra cá o Círculo Rioclarense teve a ideia de além do podium tradicional, fazer um podium pra Rio Claro (de uma melhor planta de Rio Claro) para incentivar os associados. Todo ano escolhemos uma melhor planta de Rio Claro. E essa planta leva o nome Francisco Anaruma que foi um antigo associado. 

Daniel, percebeu que deveria se dedicar ao conhecimento das orquídeas quando, um dia, quis comprar um vaso. Comprou outro e começou a pesquisar algo na internet. “No início você vira um acumulador de plantas, porque você não sabe comprar. A vantagem de participar de uma associação é que além de adquirir experiência, conhecer o pessoal, eles acabam nos ensinando a comprar as plantas. Recebemos orientação para não comprar plantas muito caras e sim, comprar uma planta pequena, cuidar dessa planta, para ser uma grande planta e poder disputar uma exposição. Então, o grande valor de uma associação é o conhecimento, a troca de informações, a maneira de estudar, a maneira de cuidar da planta é a grande vantagem. Eu aconselho a todos, dentro da sua cidade, procurar uma associação”, orientou. 

75ª Exposição Nacional de Orquídeas de Rio Claro (clique na imagem para assistir o Programa Rural Vídeos Br)

Minas Gerais

A Associação de Orquidófilos de Vespasiano, MG, trouxe 60 plantas para a exposição, viajaram  quase 700 km de ônibus e tiveram cinco plantas premiadas na exposição, em Rio Claro. 

José Geraldo Oliveira, diretor da Associação de Vespasiano, fundada em 2004, avalia, “hoje, sem falsa modéstia, somos uma das melhores associações do país, somos uma referência na orquidofilia, em padrão de qualidade. São 74 associados, nos reunimos duas vezes por semana e é um espelho para as outras demais associação. A nossa exposição é realizada na primeira semana de junho, em Vespasiano e, hoje, é um marco no calendário nacional. É uma miniatura de Rio Claro, porque aqui é a melhor exposição da América Latina, na minha opinião”, destacou.

Segundo Zé Geraldo, a qualidade é o diferencial da Associação, uma seleção rigorosa de plantas, incentivam a prática de cultivo. “Incentivamos, principalmente, a qualidade porque não adianta ter 500 plantas de má qualidade, só ocupa espaço e tempo. Ter menos plantas (muitas se possível) porém de qualidade, ter plantas harmônicas. As Cattleyas devem ter forma harmônica, a planta tem que estar, de forma que olhemos pra ela e, ela olhando pra gente. É um envolvimento físico e sentimental a orquidolfilia. É uma fábrica de fazer amigos. O que estaríamos fazendo em Rio Claro se não fosse a orquidofilia?”, ressaltou.

Um apaixonado pela orquidofilia, Zé Geraldo conclui, “a orquídea é o vegetal mais evoluído da face da terra. Matar uma orquídea não é fácil, não. Ela se defende de todo modo, até ao morrer ela floresce, ou melhor, ela floresce por dois motivos: quando está bem ou quando está em risco, na tentativa de perpetuar a espécie. Até aí ela é superior aos demais vegetais. O Brasil, a Venezuela e a Colômbia são os países mais abençoados do planeta com as Cattleyas”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *