Jornal Pires Rural – Edição 208 | CAMPINAS, Dezembro de 2017 | Ano XII

Incentivando o debate crítico da ética na cultura científica vigente, a Embrapa e a Unicamp, realizam o 4º Encontro Mídia e Pesquisa, com o tema “Ética em divulgação científica na era da pós-verdade”. O evento ocorreu em Campinas, com cerca de 150 pessoas, entre cientistas, professores, jornalistas e estudantes. O evento foi organizado em torno de três painéis, que trouxeram um panorama da inserção da ética na divulgação e no jornalismo científico, além da visão de especialistas sobre a credibilidade da informação científica e da cobertura da mídia.

No painel sobre as novas plataformas tecnológicas em divulgação científica e jornalismo de dados, o jornalista Jorge Duarte da Secretaria de Comunicação (Secom) da Embrapa em Brasília, discorreu sobre a “Divulgação da ciência na Embrapa”, apresentando um panorama com as três principais ações de divulgação científica utilizadas na instituição.
A Embrapa está presente em todos os Estados do Brasil, com essa facilidade, eles desenvolveram uma rede de comunicação apoiado por Núcleos de Comunicação Organizacional que garante, desde a década de 90, o sistema de comunicação e permite a união de todas as unidades de pesquisas. Em cada unidade tem uma área de comunicação especifica que se preocupa em promover a pesquisa e desenvolvimento, transferência de tecnologia e negócios e desenvolvimento institucional adquirido ao logo dos 46 anos da Embrapa.
Jorge destacou, que os objetivos da Secretaria de Comunicação é comunicar a ciência, popularizar a ciência e qualificar os processos internos relacionados a ciência. “Trabalhamos dando suporte na comunicação entre os cientistas, seja com propostas, ferramentas e campanhas de estímulo. Na Embrapa, estimulamos os cientista em dialogar com a imprensa, tanto é que temos um ‘Guia Pesquisa e Imprensa’, desde 1994. Já está na 5ª edição atualizada, com 30 mil exemplares impressos. É um manual que serve de referência a outras instituições para garantir o acesso do jornalista aos pesquisadores”, revelou.

Revista 21
Ele mostrou a “Revista XXI – Ciência para a vida”. “Percebemos há 4 anos, nossa comunicação era de forma institucional, com materiais mais escassos. Então, foi decidido divulgar a ciência. A Embrapa entrega tecnologia e produz muita ciência mas, na sua comunicação isso não aparecia. Foram criadas 3 plataformas, a Revista XXI, o programa de televisão Conexão Ciência e a Agência de Notícias de ciências. Foi uma decisão corporativa pois, a Embrapa achava que não estava comunicando ciência da forma que deveria”, relatou. A Revista XXI já existia mas, foram lançadas poucas edições impressas quando resolveram remodelar e criar um projeto editorial bem especifico. É um trabalho que envolve cerca de 50 pessoas, entre jornalistas, fotógrafos e cientistas. A partir de abril de 2018 a Revista XXI será totalmente digital, em formato próprio para leitura na internet.

Conexão Ciência
O programa de TV Conexão Ciência, é gerado em Brasília, é um programa semanal de entrevistas, com duração de 25 minutos, na maioria, focando agricultura. “Temos um arquivo de 200 entrevistas, com os maiores especialistas brasileiros em cada assunto. É um programa da Embrapa que fala sobre ciência e ele permite a possibilidade muito grande de temas. Esses arquivos podem servir para sala de aula, para revisão biográfica, é mais uma tentativa nossa de divulgar a ciência”, destacou Jorge Duarte.

Informações online

A comunicação digital é uma prática mais recente na Embrapa, Jorge Duarte citou que o conteúdo produzido é adaptado para as plataformas digitais como o Facebook, para divulgar o material produzido pela Agência de Notícias, além de usar links e palavras de chaves para ser captados por buscas do Google. “Toda terça-feira, entre 10h e 11h da manhã é enviado o boletim, produzido pela Agência de Notícias, para mais de 4 mil assinantes, sendo 2 mil jornalistas. Esse boletim iniciou em abril de 2014, com um conceito de agência de pautas sobre produção cientifica e tecnológica, não divulgamos os lançamentos, o objetivo é divulgar a ciência. A ideia é que esses textos possam ainda ser uteis depois de 2 ou 3 anos, porque está tratando de um assunto que ainda está sendo pesquisado ou foi concluído. O material enviado, é esperando a divulgação pelos jornalistas e, só depois de uns dias é divulgado no site da Embrapa. O conteúdo do material produzido engloba além de textos, vídeos, podcasts, fotos, infográficos e links. São 70 jornalistas da Embrapa que produzem o conteúdo para agência. Já foram publicados 150 boletins, com 450 matérias aprofundadas, são textos longos, com todas as informações possíveis sobre cada assunto. Cada unidade da Embrapa tem uma meta de produzir 6 matérias para o boletim, por ano, as unidades são avaliadas por isso”, explicou.
Um dos efeitos que costuma ocorrer com a divulgação de dados cientificos, relatado por Jorge é o contato de profissionais e empresas que trabalham ou querem trabalhar, com as tecnologias divulgadas pelos boletins da Agencia de Notícias. “Empresas ou profissionais entram em contato coma Embrapa para fazer parcerias nas pesquisas ou licenciar o material para comercialização. Quando divulgamos o tema de cereal matinal a base de sorgo, 5 empresas entraram em contato conosco. Foi um pouco inesperado pois, não estávamos preparados por tamanha demanda”, apontou.

Espaço da ciência
“Alguns dos resultados foi que conseguimos um espaço pra expor sobre ciência na mídia. Fortalecemos a rede interna na Embrapa, que foi algo bonito, cativou a todos os profissionais a produzir frequentemente conteúdo sobre ciência, que anteriormente era algo pontual. Agora, é uma estrutura toda organizada. Facilitou a divulgação de tecnologia que interessam a parceiros da iniciativa privada. Facilitou o trabalho de prospecção de pauta, isso foi interessantíssimo porque a própria direção da empresa não sabia o que estavam acontecendo nas unidades, incluindo gestão de pesquisa e desenvolvimento, isso facilitou a comunicação interna. Estamos brigando pra manter o padrão de qualidade rigoroso, com regras para títulos, conteúdo da matéria, pelo menos a citação de 5 fontes, é um esforço muito grande para que o conteúdo não perca qualidade”, descreveu.

Programa Embrapa & Escola
Finalizando, Jorge Duarte citou o Programa Embrapa & Escola, que foi criado em 1997, para organizar as visitas de estudantes nas unidades. “Quem recebe os estudantes são funcionários voluntários, que se organizam para receber estudantes do ensino fundamental e médio. Fazemos isso de diversas maneiras, mostrando os laboratórios, na área experimental, na área de campo, experimentos ecológicos, apresentações teatrais. Às vezes o pesquisador voluntário vai até uma escola, numa feira de ciência, por exemplo. Em 2016 e 2017 criamos uma rede e trabalhamos o tema sustentabilidade, visitaram várias unidades da Embrapa, 46 mil alunos de um total de 600 escolas”. Jorge, concluiu dizendo que o objetivo do programa de visitas a Embrapa é uma experiência de divulgação científica, para estimular crianças e adolescentes a verem a ciência e tecnologia como um benefício à sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *